O que ser quando crescer

Postado por em 6 de julho em sonhos de mel | 1 comentário

Desde pequena, imitando meu pai que é cabeleireiro, eu  fazia  escova, ou melhor, embolava os cabelos de minhas amigas Rhuzia e Rhaiane,  num secador velhinho que ganhei aos 8 anos de idade. Depois ganhei uma boneca que tinha um compartimento nas costas que ao repor o refil,  o cabelo  crescia de novo. Imagina?? Fiz a festa!!

Minha mãe , pedagoga e professora muito dedicada e competente,  me ensinou a gostar de ler  e a produzir textos. Eu ia às aulas com ela,  a via sempre estudando, corrigindo provas, preparando aulas.. Enfim, eu achava  incrível ter uma mestra dentro de casa!

Mas no segundo grau, numa tarde,  na casa de uma amiga,  foi que eu  percebi  que eu gostaria de trabalhar com Beleza.  Isabela Soares  foi a minha primeira cliente.  E no banheiro ( isso mesmo, banheiro!), fiz minha primeira transformação de antes e depois. Ela tinha o cabelo longo e castanho claro. Cortei chanel e fiz luzes, sem técnicas apuradas, mas como ela era ( e ainda é ) muito minha amiga, confiou em mim. Naquele dia , saí de lá radiante por ter  transformado seu visual.

Pensei também em ser comissária de bordo pra viajar bastante e com isso comecei a estudar línguas estrangeiras : inglês, espanhol, francês e até japonês. No meio do caminho desisti  dessa idéia , mas a paixão pelos idiomas dura até hoje.

A profissão de cabeleireiro foi vista por muito tempo como uma saída pra pessoa que não tinha outra opção na vida.  Sempre ouvi isso!  E por conta dessa idéia descabida e preconceituosa pensei em outra profissão.

Quando me formei no curso de Inglês, dei continuidade aprendendo didática e fonética e com isso consegui meu primeiro emprego de carteira assinada numa pequena escola primária perto da minha casa. Até hoje me lembro dos alunos  que me deixavam de cabelo em pé. Como dei valor a todos os professores que já tive!!

Me inscrevi no vestibular pra cursar Letras Portugês/ Inglês. Passei na UERJ e comecei meus estudos pra me tornar Professora com muitos sonhos acadêmicos pela frente.

Pedi demissão dessa escola e fui ser professora num curso de idiomas renomado  e me senti muito orgulhosa de poder fazer parte do corpo docente composto de excelentes profissionais que foram meus mestres. Nossa, como fiquei feliz! Me senti gente grande!

Meu roteiro mudou quando chamei uma moça da limpeza do curso pra cortar os cabelos,  pois ela estava meio pra baixo e queria mudar o visual. Então, durante um intervalo,  fomos num banheiro dos funcionários e fiz o corte.   Por conta dessa atitude não muito apropriada que tive, a dona do curso conversou comigo e me fez pensar com a seguinte pergunta: “Você quer ser professora ou cabeleireira?”

Fui pra casa, pensei e no dia seguinte , voltei com a resposta.

Acho que nem preciso te contar qual foi né ?!

Mudanças assustam mas nos ensinam uma lição:

Coisas boas se vão, para que  outras melhores possam vir.

 

A seguir: Determinada a aprender…

Essa é a foto da boneca Trancinha que tinha os cabelos de lã . Eu cortava o cabelo todo , colocava o refil no compartimento nas costas, e pelo buraco no centro da cabeça puxava e lá estava  ela com cabelão de novo!! Bom isso né?!!!

 

img

 

One Comment

  1. Confiei mesmo!!! E saí radiante com meu cabelo curtinho e loira pela primeira vez!!!! Muito legal!!!